PARA O TRANSPORTADOR AUTÔNOMO


.

Nesta categoria de transportador o motorista é o proprietário do caminhão, desta forma, “sente na pele” as decisões de compras em todas as áreas do seu veículo. Nos pneus mais ainda, pois sabe que a durabilidade dos pneus tem um tempo de vida relacionado a quantidade de kilometros que percorre.

A frase “O barato sai caro” é muito utilizado por este tipo de transportador, pois ao tomar decisão por economizar na compra, acaba em algumas situações perdendo dinheiro por não ter feito a melhor opção. “Os olhos do dono engorda o boi”. Neste caso os cuidados do dono, faz com que o pneu dure mais. Veja como fazer:

1) ESCOLHA DO PNEU NOVO

É importante escolher o pneu certo para cada tipo de utilização. Analise em quais estradas o veículo mais roda e veja que tipo de pneu você precisa: Rodoviário, Urbano, Misto ou Fora de Estrada.

A escolha correta da medida do pneu, tipo de aro ou roda, tipo de válvula e, no caso de pneu com câmara, a dimensão da câmara e do protetor devem ser observados de acordo com a recomendação do fabricante do veículo. Mudanças sem este respaldo pode gerar perda de rendimento do pneu e problemas em outras áreas do veículo.

Exemplos comuns, pneus 1000-20 e 900-20 têm o mesmo aro, 295/80r22,5 e 275/80R22,5; 215/75r17,5 e 235/75r17,5  também, mas as rodas precisam ser diferentes. O pneu 1000 precisa de roda 7.50-20 e o 900 usa roda 7.00-20, o pneu 295 a roda é 8.25-22,5 e o 275 usa 7.50-22,5; o pneu 215 pede roda 6.00-17,5 e o 235 roda com 6.75-17,5. É comum, pessoas ligadas a pneus, dizerem que esta pequena diferença não é problema. Realmente com relação ao aro o pneu dará o encaixe normal mas debito à largura (bitola) da roda o conjunto não vai trabalhar corretamente, pois o pneu ficará forçado na roda prejudicando o ombro, lateral e talão, podendo ocorrer que o dano não seja percebido até o final da seu ciclo como pneu novo, quando chega para reformar a situação é percebida no exame inicial e o pneu pode ter sua vida finalizada sem ter recebido uma reforma. Resultado: a vida do pneu tende a diminuir com esta improvisação.

Confirme se sua capacidade de carga e velocidade são compatíveis com o volume de carga que seu caminhão transporta.

Veja abaixo, dois tipos de construção de pneus.

Importante: Pela ilustração, percebe-se que o pneu é composto por várias borrachas diferentes umas das outras. Por isso durante a fabricação estas borrachas são vulcanizadas juntas, por exemplo: O material aplicado na “rodagem” precisa ser resistente ao desgaste por estar em contato com o solo, a “parede lateral” é outro material pois ele precisa ser flexível, a borracha aplicada na área do “talão” deverá ser muito resistente a alta temperatura, nos “ombros” a borracha precisa ser resistente a arrastes, o “liner” isto é, a camada de borracha interna do pneu, precisa de impermeável e assim por diante. Isso explica o porquê em caso de perda de pressão é imprescindível parar o veículo o mais rápido possível, visto que a rodagem em baixa pressão provoca a degradação destes diversos tipos de borracha que compõe o pneu, gerando separações e o sucateamento do pneu.

2) MANUTENÇÃO E CUIDADOS DURANTE O USO

Lembre-se que o desgaste das peças de suspensão do seu veículo é inevitável. Após certa kilometragem, sistema de suspensão se desgastam e geram folgas nas ponteiras, terminais, rolamentos, embuchamento, etc.

Para obter o melhor rendimento dos pneus, fique atento aos CINCO LADRÕES DE QUILOMETRAGEM:

1. ALINHAMENTO: Rodas desalinhadas causam o desgaste excessivo e irregular dos pneus. A vida dos pneus pode diminuir 25%. Evite o prejuízo fazendo revisões mecânicas periodicamente.
2. BALANCEAMENTO: Problemas mecânicos e defeitos nas rodas, como o balanceamento incorreto, podem gerar desgaste irregular da banda e perda de 20% no rendimento dos pneus.
3. CONTROLE DE PRESSÃO: O que suporta a carga não é o pneu, mas sim o ar que está dentro dele. A palavra “pneu”, vem de pneumático, isto é, aquilo que tem ar. O uso da pressão incorreta reduz a kilometragem da banda em até 25% e ainda aumenta o consumo de combustível de 4 a 6%.
4. DESENHO DO PNEU: Dependendo da aplicação, a escolha errada do desenho do pneu pode gerar uma perda de 40% na kilometragem.
5. EMPARELHAMENTO: Emparelhamento correto é aquele em que o conjunto geminado possuem pneus e rodas com o mesmo diâmetro total e as mesmas características. Desprezar esta exigência é correr o risco de perder 25% na kilometragem.

Cuidando destes itens seus pneus terão um maior desempenho, por isso visite seu prestador de serviços com mais frequência e fique atento também a:

CONSERTOS: Um pneu furado consertado durante uma viagem, provalmente recebeu um conserto “provisório”, isto é, apesar de estar vulcanizado pode possibilitar a entrada de ar na área pela banda de rodagem e provocar a perda do pneu e de futuras reformas. Quando isso ocorrer procure seu recapador de confiança e faça uma vulcanização correta.

SOBREPESO / VELOCIDADE: O sobrepeso é um inimigo do pneu porque força sua estrutura e diminui a expectativa de vidas futuras que o investimento espera. A velocidade por sua vez é mais danosa ainda, pois além de aquecer o pneu além da sua capacidade, pode provocar avarias em buracos/deformações nas estradas e consumir prematuramente tambem outros itens , como lonas de freio, combustível, etc.


RODOCALIBRADOR:
O equipamento ajuda o usuário a deixar sua rede de ar na calibragem desejada, porém como todo equipamento exige manutenção períodica. É muito comum em veículos que não tem essa manutenção o painel apontar, por exemplo 100 lbs e em alguns pneus a pressão real é 70 lbs. Corrija as pressões sempre com os pneus frios, no mínimo a cada 15 dias; utilize tampas de válvulas a fim de proteger o interior das mesmas, evitando vazamentos e a deterioração do núcleo.

RETIRADA DO PNEU PARA REFORMA: Todos os pneus, por norma, possuem a indicação máxima de desgaste TWI (Tread Wear Indicator). São indicadores de desgaste da banda de rodagem que correspondem ao desgaste máximo permitido pelas leis de trânsito,  que é de 1,6 mm. Portanto, os pneus devem ser substituídos antes de atingirem estes valores, assim a carcaça estará apta a receber uma reforma mais segura.

ARMAZENAMENTO: Caso tenha pneus em estoque, lembre-se de guardá-lo longe de produtos derivados de petróleo, como óleos, tintas, etc. Este procedimento acelera o envelhecimento da borracha.

RODÍZIOS DOS PNEUS: Na rodagem, existem diversas situações, como a inclinação da estrada, tipos de cargas, que ocasionam desgastes dos pneus. Uma das formas mais simples e eficazes para atenuar tais desgastes é o rodízio dos pneus. As formas mais usadas são: pneus dianteiros da esquerda para a direita, giros na roda, rodízios cruzados (interno, externo) ou ainda entre eixos.

3) ESCOLHA DO DESENHO DE REFORMA

O pneu significa o segundo ou terceiro custo do transporte rodoviário, portanto, recapar corretamente afeta significativamente no custo do frete. O valor atual de recapagem de um pneu de caminhão equivale aproximadamente 30% a 40% do valor médio de um pneu novo.
O rendimento quilométrico do primeiro recape de um pneu de caminhão é o mesmo de um pneu novo, isso se o usuário der ao pneu recapado os mesmos cuidados que dá ao pneu novo, será maior ainda.

Reforma-se em média 2 vezes o pneu de caminhão, podendo chegar até 3 vezes dependendo das condições do pneu.

A escolha do desenho nada tem a ver com o desenho original do pneu ou por achar o desenho “bonito”. Ele precisa ser escolhido de acordo com sua aplicação específica, isto é, muitos desenhos destinados para a dianteira do caminhão, não são necessáriamente bons para os eixos trazeiros, por exemplo. Veja na sua recapadora, quais os desenhos adequados para sua operação. Continuar com o desenho original pode dar ao seu pneu aparência de novo, mas isso não garante bom desempenho quilométrico.

Os reparos, também conhecidos como manchões, como o próprio nome diz, servem para reparar os danos que seu uso fez ao pneu. O sistema vai substituir as partes danificadas do pneu por um reparo com iguais especificações. Isso é serviço para especilista e se for feito com a técnica necessária, o pneu terá todas as suas propriedades novamente para rodar com segurança.

4) CALCULE O CPK – CUSTO POR QUILÔMETRO

Você sabe qual seu custo por quilômetro rodado?  Ás vezes, você confunde PREÇO com CUSTO?

Com um cálculo bem simples, você poderá passar a controlar seu custo por quilometro rodado com pneus. Primeiramente é preciso saber que PREÇO é aquilo que o usuário paga pelo serviço. CUSTO é a divisão deste preço pelo rendimento do serviço/produto comprado. Acostume-se então a controlar seus custos com pneus através do cálculo do CPK, ou seja, do custo por quilometro rodado.

Na fórmula abaixo, você vai obter o custo com o pneu para cada 1.000km. Para saber o custo por quilometro, portanto, basta dividir o resultado por mil.

MEDIR E QUANTIFICAR.  Não se esqueça que a melhor forma de ganhar dinheiro hoje é baixando custos e esse é o compromisso e a missão da Renocap e da Bandag.

Como você pode ver, o importante não é apenas quanto se paga na recapagem e sim o quanto se economiza durante a vida da carcaça, ou seja, quanto maior a quilometragem, menor o custo, maior a economia e menor compra de PNEUS NOVOS !!!

5) DECISÃO DE COMPRA E/OU RECAPAR

O autônomo deve tomar a decisão de compra do pneu e da reforma, baseados na confiança e segurança que o fornecedor destes produtos/serviços geram nele. Caso possua números sobre o desempenho, melhor ainda.

Cuidado com a interferência de “intermediários interessados” que sua decisão seja simplista e acabe fazendo o “mais fácil”, o “mais barato”, enfim aquilo que não provocou uma análise dos prós e contras de uma decisão de compra.

Estes intermediários, sejam quais forem, podem ser usados como consultores, mas entre sua decisão e a necessidade de recapar use a razão para fazer as contas e proteger seu patrimônio.

6) SOLUÇÕES PARA SEUS PNEUS

RAZÕES PARA RECAPAR COM A RENOCAP / BANDAG

Não visite seu recapador apenas para recapar ou comprar pneus, vá para calibrar, conferir o desgaste dos pneus, medir o alinhamento, entre outras. Na prática você usará o nosso BTS-CENTRO DE SERVIÇOS , estará se protegendo dos “5 ladrões de KM.”

 

Se tiver dúvidas sobre pneus, recapagens e sobre partes mais teóricas do produto que usa, poderá participar de um CURSO RÁPIDO SOBRE PNEUS PARA MOTORISTAS. Basta agendar com nossos técnicos e vendedores. Sem custo adicional.

 

Recapando seus pneus com a RENOCAP / BANDAG você terá a certeza que seus pneus serão produzidos dentro do processo de qualidade certificado pela SBQPC (Sistema Bandag de Qualidade Padrão nos Concessionários) e pela certificação obrigatória (registro) junto ao INMETRO, que serão reformados com equipamentos homologados pela Bandag, e com mão de obra especializada, que suas carcaças poderão obter a GARANTIA ESTENDIDA BGW  se estiverem dentro dos critérios estabelecidos e ainda dispor de bandas de APLICAÇÃO ESPECÍFICA para melhorar o desempenho dos seus pneus.

Procure a Renocap e em um único lugar você encontrará RECAPAGENS, SERVIÇOS , PEÇAS E PNEUS NOVOS, além de uma equipe de profissionais que querem AUMENTAR A VIDA ÚTIL DO PNEU DO SEU CAMINHÃO. 

 

VERSÃO PARA IMPRESSÃO